Elizabeth Haynes – No Escuro



Hi Angels!

Primeiro vou falar o motivo que demorei em resenhar. Eu entrei em uma ressaca da pleura. Não consegui resenhar e muito menos pegar outro livro para ler. Motivo? Esse livro é muito, mas muito bom. Sério gente, o que é esse livro? Senhorrrrrr!!!!

Elizabeth Haynes nos traz um thriller psicológico que nos deixa tenso do início ao fim do livro. Nos mostra personagens tão reais que dá até medo de pensar nas atrocidades.

Aviso Nº 1 da Mimi: quem tem coração fraco não leia. As cenas são fortes.

Aviso Nº 2 da Mimi: existe um assassinato, mas este não é o foco. Portanto não tem espreme e sai sangue como aquele jornal antigo de São Paulo, o Notícias Populares.

Aviso Nº 3 da Mimi: se você não gosta de temática violência doméstica não leia. Como eu disse no Aviso Nº 1, as cenas são fortes MESMO.

Quando sorteamos este livro para o Clube do Livro Fábrica dos Convites eu não esperava que ele fosse assim, tenso. Esta é uma palavra que você lerá muito nesta resenha. Agora fazendo esse texto, estou novamente tensa, pois estou lembrando a vida que a Catherine Bailey teve com Lee Brightman, o “homem perfeito”.

Sério, esse cara no início me pareceu certinho demais, correto demais, conveniente demais. Eu achei que ele tinha matado a Catherine, mas não. Quem morreu foi a Naomi Bennett.

Mimi fazendo um adendo: Quem é Naomi? Pois é, eu estava lendo no ônibus, indo até a Ana Rosa para um job e na volta eu mandei mensagem pra Rose, claro que ela já tinha lido rs, para me falar por que eu não estava entendendo mais nada. Ai entre trocas de mensagens eu consegui pegar o que faltava, o fio da meada que estava solto e tudo se encaixou. Agora voltemos à programação normal hehe

Lee Brightman foi preso por algum crime que ele cometeu contra Catherine Bailey. E a história começa assim. Com ele no julgamento.

A autora usou o recurso de contar a história do passado e do presente de Cathy, então temos os capítulos todos alternados. Ok, uma ou duas vezes são capítulos do mesmo tempo. E isto faz com que você fique pilhada enquanto lê.

Catherine em sua juventude era uma mulher que adorava balada. Saía de um pub entrava em outro. Bebia até quase cair. Todo final de semana se encontrava com seus amigos para curtir a noite e em uma dessas noites, no Halloween, Catherine resolveu ir até o pub Cheshire Arms e se perdeu de suas amigas, mas fez uma nova... Kelly. E com ela foi até um bar chamado River e lá que a vida dela acaba mudando drasticamente.

Na porta do River ela conhece um segurança gato. Que não tira os olhos dela. Também pudera, ela estava com um vestidinho vermelho sangue, estava parecendo uma diabinha como Kelly disse. Cathy entrou com sua amiga no bar e esqueceu o segurança, seus olhos azuis e seu olhar penetrante.

Porém nada estava acabado não é mesmo? O segurança gato, que coincidentemente era o Lee Brightman, por incrível que pareça malhava na mesma academia que ela. Criou oportunidades para conversar e conhecê-la. E a doida caiu na ladainha dele. Gente, ele era perfeito demais. E ela uma tonta. “Não posso falar sobre meu trabalho.”, “Não posso falar sobre o que eu faço.”, “Não posso estar com você hoje.”, “Não posso...”, “Não posso...”, Mas Cathy cada vez se sentia mais estranha. Parecia que tinha alguém vigiando seus passos. Seu namorado, pois agora Lee era seu namorado estava ficando alguns dias em sua casa. Principalmente depois que ela foi assaltada...

Agora vamos mudar para o tempo presente, pois se eu revelar mais alguma coisa do passado será spoiler.

Cathy Bailey tinha TOC. Um sério problema. Ela não saia de casa antes de verificar SEIS vezes as portas, janelas e a porta da rua do seu prédio que ficava aberta todos os dias e a deixava louca. Cathy não gostava mais de sair, não bebia mais, não tinha mais amigos. Era solitária, trabalhava com RH de uma empresa farmacêutica ia trabalhar e voltava para casa. Se refugiava em seu apartamento super seguro. Até que uma pessoa apareceu no seu prédio.

Stuart Richardson era um psiquiatra e se mudou para o apartamento de cima. Logo ele e Cathy ficaram amigos, claro que com um pouco de paciência do Stuart, pois Cathy não gostava de socializar mais. Como ele era psiquiatra, ele sacou desde o início que ela tinha um Transtorno Obsessivo Compulsivo e tentou ajudar.

No começo nada foi fácil, mas a amizade dos dois foi fazendo com que Cathy se sentisse mais segura. Também, não tinha como não amar o Stuart. Ele é um fofo. Sim!!!! Meu mais novo crush literário rs

Cathy sofreu muito tanto em sua vida mais jovem quanto em sua vida adulta. Cada mudança de página eu esperava que acontecesse uma merda. Uma morte. Foi uma agonia sem tamanho. Mas o melhor foi conversar com as meninas no Clube do Livro. Saber que não fui a única a sentir isso foi bom. E as discussões que tivemos... cada vez mais eu adoro esse clube. Sério. Conversamos, rimos, debatemos e esmiuçamos o livro. Bom demais!

Eu li “No Escuro” em formato digital, o ebook pela Saraiva está menos de 15 reais (visto no dia 19/04/2017) e o livro físico na loja do Pátio Paulista está esgotado. Portanto para quem lê em e-book compre já e leia. Mesmo ele sendo um livro tenso é maravilhoso e isso foi unanime entre as participantes do clube.




SERVIÇO:
Título:  Into the Darkest Corner
Autor:  Elizabeth Haynes
Tradutor: Mauro Pinheiro
ISBN: 978-85-8057-295-7
Assunto:  Ficção inglesa
Páginas: 461 (ebook)
Editora: Intrínseca
Nota: 5/5
Estante: Skoob

Sinopse: Catherine aproveitou a vida de solteira por tempo suficiente para reconhecer um excelente partido quando o encontra: lindo, carismático, espontâneo... Lee parece bom demais para ser verdade. Suas amigas concordam plenamente e, uma por uma, todas se deixam conquistar por ele.
Com o tempo, porém, o homem louro de olhos azuis, que parece o sonho de qualquer mulher, revela-se extremamente controlador e faz com que Catherine se sinta isolada. Amedrontada pelo jeito cada vez mais estranho de Lee, Catherine tenta terminar o relacionamento, mas, ao pedir ajuda aos amigos, descobre que ninguém acredita nela. Sentindo-se no escuro, ela planeja meticulosamente como escapar dele.
Quatro anos mais tarde, Lee está na prisão e Catherine, agora Cathy, tenta reconstruir a vida em outra cidade. Apesar de seu corpo estar curado, ela tornou-se uma pessoa bastante diferente. Obsessivo-compulsiva, vive com medo e insegura. Seu novo vizinho, Stuart Richardson, a incentiva a enfrentar seus temores. Com sua ajuda, Cathy começar a acreditar que ainda exista a chance de uma vida normal. Até que um telefonema inesperado muda tudo.
Ousado e poderoso, convincente ao extremo em seu retrato da obsessão, No escuro é um thriller arrebatador.

O príncipe que queria ser carro é o segundo livro do projeto Histórias Contadas


Sucesso em 2015, o projeto oferece para crianças do Centro Infantil Boldrini uma forma de expressar a criatividade


Com o título “O Príncipe que queria ser carro”, o lançamento do livro da primeira fase do projeto “Histórias Contadas” 2017 já tem data marcada: dia 28 de abril, sexta-feira, às 10h, com um evento interno no auditório de reabilitação do Centro Infantil Boldrini. 

Os exemplares produzidos não serão comercializados, mas doados aos autores e utilizados no hospital para trabalhos no setor de pedagogia, assim como na primeira edição.

Sucesso em 2015, “Histórias Contadas” foi idealizado pela Escola de Artes Pandora e pela Fábula Projetos Especiais e desenvolvido pela Escola de Artes Pandora, em parceria com o Centro Infantil Boldrini. O objetivo da iniciativa é ajudar as crianças na unidade ambulatorial do hospital a construir uma história coletiva com ilustrações feitas por elas mesmas. Para formatar esse livro, os pequenos participaram durante dois meses de oficinas de contação, ilustração e construção de histórias.

De acordo com a coordenadora pedagógica do Centro Infantil Boldrini, Luciana Mello, o projeto é a prova de que o tratamento não é uma barreira para criatividade dos pequenos. “Estudar, brincar e interagir é algo medular ao universo infantil e isso faz parte da rotina das crianças do Boldrini. Além do incentivo pedagógico, a produção do livro eterniza histórias e desenhos. Isso é ter superpoderes, sentimento vital para fixar o desejo e a esperança na vida”, enfatiza.

A primeira edição do projeto – aprovado pela Lei Rouanet desde 2014 - resultou no livro “Histórias que Voam”, lançado em 2015. A obra foi escrita e ilustrada pelas crianças que estavam no Boldrini, com avaliação e edição da Fábula e das autoras Sandra Aymone e Louise Pavan. O projeto continua em junho, com novas oficinas de contação de histórias e ilustração. Empresas interessadas em participar das próximas edições do projeto podem entrar em contato com Ricardo Quintana, pelo e-mail ricardo@escolapandora.com.br ou telefone (19) 9 8135-9133.

Fonte: release recebido

Alô, alô escritores! Conheça o Escrevivendo

Hoje o post é para você que gosta de escrever, quer melhorar sua escrita ou mesmo para quem quer publicar seu livro. 

Ser escritor é ter o dom das palavras, pois são elas que encantam e prendem o leitor no enredo, porém ter uma boa história não te torna um bom escritor. Você não nasce sabendo das coisas, você aprende. E é por isso que vou indicar um curso bem legal para quem quer aprender um tiquinho mais sobre escrita, seja de um livro só seu ou também para contos, as famosas antologias, o curso é o Escrevivendo.

Primeiro vamos conhecer as pessoas responsáveis pelo curso?


Giulia Moon

Comecei a escrever contos no ano 2000, em grupos da internet. Não é por acaso que os meus primeiros livros foram coletâneas: Luar de Vampiros(2003), Vampiros no Espelho & Outros Seres Obscuros(2004) e A Dama-Morcega(2006).

Mas fiquei conhecida, mesmo, como a autora da série Kaori, aventuras de uma vampira japonesa no Brasil: Kaori: Perfume de Vampira (2009, Giz Ed.), Kaori 2: Coração de Vampira (2011, Giz Ed.) e Kaori e o Samurai Sem Braço(2012, Giz Ed.). Este último recebeu o Prêmio Argos, do Clube de Leitores de Ficção Científica do Brasil, como o melhor romance de Literatura Fantástica de 2012.

Em 2014, retomei o meu lado contista com a coletânea Flores Mortais, histórias só com protagonistas femininas.

Em 2016, lancei a coletânea Histórias Felinas, com contos de gatos, em parceria com a escritora Helena Gomes.

Nesse meio tempo já fui editora, fiz trabalhos de ghost writer, leitura crítica e, claro, ilustrações.

Sou meio nerd, meio otaku, amante de gatos, j-rock e chocolate meio amargo. Adoro a lua cheia e seres obscuros. Acredito em tudo, menos na monotonia!


Walter Tierno

Decidi muito cedo que queria viver do desenho. Viver da escrita foi uma decisão um pouco mais tardia.

Durante quase vinte anos, trabalhei com publicidade e também sou formado em jornalismo, mas nunca exerci essa profissão.

Já fiz tiras humorísticas para um jornal com poucos leitores e teatro amador para uma platéia ainda menor.

Em 2010, publiquei meu primeiro livro: "Cira e o Velho". O segundo, em 2013 e se chama "Anardeus. No calor da destruição". Também já editei alguns livros para a Giz Editorial e algumas HQs para o selo GiBiz.

Para encurtar a conversa: sou ilustrador, escritor, editor, pagador de mico, engolidor de sapo e um cara desagradável que responde sinceramente quando alguém pergunta minha opinião.

Moro em São Paulo, tenho uma filha chamada Catarina, os gatos Titus e Sisko e a gata Jolie.

Sobre o curso

O que é o Escrevivendo Escrita Criativa? 

ESCREVIVENDO é o que o nome diz: escrever + viver. É um curso de escritores veteranos dirigido a escritores iniciantes. Giulia Moon e Walter Tierno tiveram experiências semelhantes na sua trajetória: são escritores, ilustradores, publicitários, e já tiveram a oportunidade de exercer a função de editores. Nas suas obras, ambos são reconhecidos pela qualidade dos seus textos, a criatividade das suas tramas e pela força de seus personagens. Ambos vivem o dia-a-dia de um autor brasileiro, experimentando as peculiaridades dessa atividade tão complexa e especial. 

No ESCREVIVENDO, Giulia e Walter abraçaram o desafio de passar um pouco dessa vivência em cursos que misturam exercícios práticos com muito bate-papo e troca de informações. 

Por isso, ESCREVIVENDO é diferente. 

É pessoal. 

É a cara da Giulia e do Walter. 

E pode ser a sua cara, se você quer, mais do que escrever, VIVER cada linha, cada instante, cada experiência de escritor à flor da pele!

Minha experiência no Escrevivendo


Fui convidada a fazer um mini curso para saber como que é a parada. Não, não irei escrever um livro... pelo menos não ainda rs 

Sabe aquele dia que você não está bem? Acorda com dor de estômago fortíssima, mas teima em sair de casa? Pois é... eu estava assim. Comi um lanche na noite de sábado e meu fígado reclamou. Eu acordei às 6h da manhã para me arrumar e ir ao curso (Walter... eu amo muito você só pode... eu ODEIO acordar cedo, mas vamos que vamos rs), passei na farmácia comprei dois flaconetes de um remédio ruim rosa que a farmacêutica disse que ia fazer melhorar (não, infelizmente não melhorou). E lá fui eu para o metrô São Judas esperar o pessoal para irmos ao Espaço Asas.

Quando o pessoal chegou e fomos até o local para o curso eu ainda estava zuada. O que eu fiz? Mamãe mandou eu tomar Gatorade de Limão... eu achei melhor não, mas depois do remédio não fazer efeito lá fui eu comprar o bendito e olha... funcionou! Ai sim podemos aproveitar o dia beeeeeem melhor rs

Já no espaço tivemos as apresentações... Oi... eu sou a Milena Cherubim... não, para. Não foi assim. Tivemos que nos apresentar de uma forma nada convencional. Mostrando outro lado de nós mesmos. Contando uma história. Não vou lembrar... infelizmente. Mas sei que fiquei roxa de vergonha.

Quando eu falo ninguém acredita. Eu sou mega tímida. Odeio falar para uma sala fechada. Mas faço mesmo assim, como? Brincando, descontraindo... só assim eu me sinto menos envergonhada. As vezes não funciona, claro! Ai eu fico roxa hehe

Titia Giulia e o véio (Walter) ficaram a manhã toda explicando como é o curso do Escrevivendo, qual a importância dele para quem gosta de contar histórias e claro, muitas dicas. Dicas super importantes para que o escritor iniciante melhore mais e muito mais rápido.   

Algumas das dicas que eles nos passaram:
Encurtar o texto
Tirar a repetição de fatos
Textos com muitas explicações
Não tratar seu leitor como um idiota
Mesmo sendo um curso rápido eu pude absorver bastante coisa. Sabe quando você pega um livro que muitas pessoas falaram bem ou quando o autor é a sensação do momento? Não digo aqueles autores que já são renomados tipo J. K. Rowling, J. R. R. Tolkien, George R. R. Martin, Rick Riordan e outros autores internacionais. Digo dos nacionais mesmo (sei que cairão chuvas de comentários contraditórios sobre o que estou falando, mas mesmo assim isso aqui é a minha opinião lembra, ninguém precisa aceitar ok? ) que possuem um ego gigante. 

Alguém já se perguntou porque eu quase não resenho livros nacionais? E sempre quando faço, são autores que conheço como o Walter, a Martha Argel, André Vianco, Douglas MCT, Leandro Reis , o Leandro Radrak (adoro os livros Filhos de Galagah, são ótimos), Vanessa Bosso, Danilo Barbosa, Daniel Pedrosa, Débora Gimenez, Bruno Anselmi Matangrano, Tico Santa Cruz, Eduardo Spohr, Ziraldo, Nazarethe Fonseca, Eric Novello, Georgette Sillen, Bianca Briones, James Andrade, Nelson Magrini, Flavia Abreu, Andre Cardinali, Luciane Vieira Z, Nanuka Andrade, Ulisses Aguiar, Nelson Rodrigues, Ricardo Valverde, Mauricio Gomide, Kel Costa, F. T. Farah, Gilmar Duarte Rocha, Pedro Guerra e mais alguns, viu... eu leio nacionais hehe. 

Mas sabe qual foi o motivo para eu resenhar mais internacionais? Um cidadão que me chamou de burra por não entender o livro dele. Justo ele que era o "Saramago" de sua cidade? Bom... depois que eu li esta frase, sério... eu nem dei mais atenção ao cidadão. E para você ter uma ideia o dito autor teve apenas 130 pessoas que leram sua magnifica obra, já o Saramago... só em um livro foram mais de 41 mil pessoas. É por essas e outras que eu me abstenho. 

E com esse curso, você que é autor iniciante (leia-se autor de primeira viagem, aquele que só escreve por diversão ou mesmo aquele que nunca escreveu, mas tem uma ideia sempre fixa na cabeça e que daria uma excelente história) tem mais chances para não errar.

Eu não escrevo contos e muito menos livros, mas tive que fazer um exercício que foi proposto. Eu não ia fazer não, mas já que estava ali, acordei cedo, fui eu lá escrever o raio da historia do cachorro. A minha foi a pior, claro! Ai gente que vergonha... Mas faz parte e sabe qual foi o melhor momento do curso? Além do aprendizado né, foram as risadas. Como eu me diverti naquele dia. Só duas pessoas que eu conhecia que também estavam lá. Alguém imagina quem seria?

Olha a Lele ai gente!!!!

Renata, Lele (sensualizando) e eu na hora do almoço
Agora vem a parte que os escritores estavam esperando nesse post, o Walter e a Giulia ministrarão um curso chamado Escrevivendo "Menos é mais"!!!! Vamos saber mais dele?

Escrevivendo “ Menos é Mais” - Aprimorando o texto, estilo e enredo.


O curso será nos dias 23 e 30 de abril de 2017 no Espaço Asas, lá você irá treinar sua capacidade narrativa. Servirá para desconstruir-se. Libertar-se dos vícios de linguagem. Escrever ficção de uma forma profissional. 

O curso possui dois workshops presenciais, que serão ministrados nos domingos (23 e 30 de abril), com exercícios práticos e acompanhamento online individual durante a semana. 

Bacana né? Eu super recomendo, não é publi, não é jabá, este dia de imersão no curso foi para falar para vocês a experiência que eu tive e assim poder mostrar como é divertido e instrutivo. 

Ah uma dica, leve um lanche para tomar um cafezinho e também para almoçar. Lá perto tem uma padaria, mas é mais interessante comer com o pessoal e fazer o networking! E claro, não esqueça de levar sua caneca para beber água ou café, sustentabilidade gente!

Olha o pessoal todo compenetrado escutando o que os mentores falavam, eu estava prestando atenção também, por isso só temos uma fotinho rs

Aquela palhacita fazendo caretas lá no fundo é a Lele, já deu pra perceber como foi divertido rs


SERVIÇO:

Escrevivendo Menos é mais
Local: Espaço Asas (próximo ao metrô S. Judas)
Número máximo de participantes por curso: 12
Mentores: Walter Tierno e Giulia Moon
Informações: Escrevivendo Escrita Criativa