[Filme] Estrelas Além do Tempo



Oiê Pessoal!

Quando vi o trailer de Estrelas Além do Tempo eu fiquei encantada, como assim, mulheres participaram da corrida espacial e ninguém nunca falou nada? E ainda por cima mulheres negras e empoderadas, realmente, além do seu tempo. Óbvio que tinha que conferir!

Mary (Janelle Monáe), Katherine  (Taraji P. Henson) e Dorothy  (Octavia Spencer)

A história se passa no sul dos estados unidos (para quem não lembra a maioria dos estados sulistas americanos demoraram mais para aceitar a não segregação racial, demoraram mais para libertar seus escravos... Quem aqui já viu Loucos do Alabama? Também é um ótimo filme sobre segregação racial, preconceito e feminismo), e assim como hoje (veja só) as mulheres lutam para conquistar seu lugar no ambiente de trabalho, e essa história foca em três mulheres que não trabalham em qualquer lugar, elas trabalham para a NASA (agência espacial americana), mas imagina trabalhar na NASA (um lugar cheio de homi) sendo mulher, negra e ainda por cima no ano de 1961! Imaginou?

John Gleen quebrando o protocolo e cumprimentando as meninas
Pois é, nada fácil... As pessoas “de cor” (colored como eram chamadas) trabalhavam, usavam o banheiro, se alimentavam, usavam o transporte público separadas dos brancos (nossa que absurdo! É eu sei, e quem estudou lembra, porque não tem como esquecer um absurdo desses). Mas não há obstáculo que impeça essas mulheres de tentarem conquistar seu lugar!

A Katherine da vida real e sua versão cinematográfica
Katherine Johnson (Taraji P. Henson) é o computador humano, que faz cálculos inimagináveis de cabeça, sua família percebeu o talento da garotinha e resolveu investir em seus estudos. Mary Jackson (Janelle Monáe – sim, a cantora) quer ser engenheira da NASA, mas toda vez que ela está próxima a realizar esse sonho algo acontece, mas ela não deixa pra lá não, ela se empenha mais! Dorothy Vaugh (Octavia Spencer) é a supervisora de toda a mulherada (negra), mas não é registrada como supervisora apesar de exercer essa função. Nada era fácil para essas mulheres, mas elas não desistiam!

Dorothy da vida real sua versão cinematográfica
Quando Vivian Michael (Kirsten Dunst), procurou Dorothy para saber quem poderia ser o novo computador da Divisão de Controle e Orientação da Divisão de Pesquisa de Voo (resumindo, fazer cálculos para botar o homem em órbita da terra e trazer ele de volta em segurança), mas não pense que foi fácil, a pobre não podia usar o banheiro do novo departamento, tinha que andar uns 800m até seu antigo setor e usar o banheiro para pessoas de cor, até que seu chefe Al Harrison (Kevin Costner), resolveu esse problema). A pobre Mary só queria ser engenheira, mas sempre que ela poderia dar um passo para frente, ela é obrigada a dar dois para trás.

Mary da vida real sua versão cinematográfica

Fica bem claro que não só o mundo está dividido entre o “bem e o mal”, entre o capitalismo e o socialismo, homens e mulheres... Mas entre os negros e os brancos, principalmente dentro de um ambiente que almeja o futuro, mas não enxerga ele. E para que os Americanos possam dar um passo maior que a URSS será preciso muito trabalho em equipe e esquecer esse preconceito ridículo que há entre as cores. No final somos todos humanos tentando viver nesse mundinho.




P.S.: - 1: O Filme foi muio bem criticado e as meninas ganharam o prêmio de melhor elenco no SAG Awards e concorrem ao Oscar de melhor filme, melhor atriz coadjuvante (Octavia Spencer) e melhor roteiro adaptado.




P.S.: - 2: Sobre a utilização do banheiro por Ketherine no filme, li quem na verdade tinha que atravessar a Nasa para usar o banheiro era a Mary, Katherine simplesmente se recusou a usar os banheiros para os "de cor"


P.S.: - 3: O quê mais me entristece é que as diferenças ainda existem, e não apenas lá, mas em todo o mundo quem quiser ler mais um pouco sobre algo que está relacionado a preconceito eis uma matéria que li no Hypeness que fala das dificuldades que Fleury Johnson encontrou no Brasil, ele vem de um pequeno país da África para cursar medicina no Brasil (que tem a maioria de sua população de negros e pardos, olha aqui o link do Fleury Johnson). Espero que curtam o filme e o blog do Fleury.


Até mais 😏




Serviço:
Título Brasil: Estrelas Além do Tempo
Título Original: Hidden Figures
Duração: 2h 6min
Ano: 2017
Direção: Theodore Melfi
Elenco: Taraji P. Henson, Janelle Monáe, Octavia Spencer, Kevin Costner, Kirsten Dunst, Aldis Hodge, Mahershala Ali, Jim Parsons, Glen Powell entre outros
Gênero: Drama Biográfico
Nota: 5/5

[Filme] Papa Francisco: Conquistando Corações


Hi Angels!

Hoje fui convidada pela Maré Filmes para assistir a cabine deste filme maravilhoso. Não sou católica, sou espírita há cinco anos, contudo fui criada na igreja até meus treze anos. Fui batizada, catequizada e quase crismada. Ainda vou em algumas missas, me faz bem. 

Eu gostava muito do João Paulo II, chorei horrores quando ele faleceu. Parecia um membro da minha família. O que não deixava de ser. Eu gostava de assisti-lo quando ele falava na TV. Ai veio seu substituto, confesso que não gostei do Ratzinger. Sei lá, ele não era carismático e com isso perdi um pouco da minha fé na igreja. Além de que ela não me respondia as questões que eu tinha. 

Só que algo mudou. Não só em mim, acredito que no mundo inteiro quando Jorge Mario Bergoglio foi nomeado pelo Conclave em 2013. E juro que não tinha visto o livro lançado pela Elizabetta Pique, Pope Francis, Life and Revolution, que foi adaptado para os cinemas e que pude conferir hoje. Vamos então a crítica?

Jorge Mario Bergoglio, filho de imigrantes italianos, era um adolescente normal que vivia com seus pais e seus quatro irmãos mais novos em Buenos Aires, Argentina. Queria ser médico. Estava interessado em uma bonita moça de sua idade. Só que algo mudou em sua vida. 

Jorge e sua avó
Em 1958 ingressou no seminário, sua avó era a mais incentivadora. Seu pai, aceitou bem. Agora sua mãe... Chorou muito. Ela queria que ele fosse médico. Que casasse. Que tivesse filhos. Que não morresse sozinho. Qual foi a resposta pra ela? "Os fiéis serão meus filhos". Como não amar essa criatura iluminada?

Sim, o Sumo Pontífice é sim um ser iluminado. Ele entende que não é por que você possui uma crença diferente da dele que é menos importante. Que Deus é Deus em qualquer língua. Padre Jorge, como gostava de ser chamado, viveu sua vida de padre jesuíta na comunidade pobre de Buenos Aires.

Ele ia até as favelas. Pregava para os imigrantes. Ajudava quem quisesse ser ajudado. Nunca impôs sua fé.  Sempre com um ombro amigo, palavras confortadoras ou mesmo um lenço para enxugar as lágrimas, o Santo Padre sempre esteve lá para os fiéis.

Em uma missa em que o padre da paróquia tinha sido ameaçado por traficantes

Ajudando um fiel a fugir dos militares
Sim leitores do Memories. O Padre Jorge ajudava sim as pessoas a ficarem bem. Seja com a palavra seja com suas ações. Esse senhor que está ai acima, precisava fugir dos militares, por motivos políticos. A guerra é ridícula, a corda sempre arrebenta no lado mais fraco. E o jesuíta estava lá pronto para ajudar, assim como Jesus.

Ele entrava no meio da favela, falava com militares, não se importa em morrer, pois acredita que está fazendo seu trabalho da melhor forma possível, e eu Milena concordo plenamente. Sabe aquele lema que escutamos nos seriados americanos "nunca deixamos um dos nossos para trás"? Pois é, no caso dele os "nossos" é a humanidade.

Quase sendo preso por militar ao querer libertar seus amigos jesuítas
Uma vez ele foi chamado para ir até um hospital fazer uma missa para as crianças. Um dos meninos tinha um problema na pele. Era toda ferida, purulenta e o enfermeiro disse que era contagioso e avisou a secretária do Padre que ele não iria participar, a secretária disse: "Será um desrespeito para com o Padre Jorge, ele vai". E ele foi!


O Padre lavou os pés do garoto e ainda beijou-o. Ele poderia ficar doente? Sim, poderia. Ele se importou? Não, nem um pouco. E sabe porquê? A criança é filho de Deus assim como todos os outros. 

Carismático, iluminado, faz um trabalho lindo para os menos afortunados. E isso incomoda e muito várias pessoas poderosas. Uma mulher chegou a insinuar que se ele não parasse de falar sobre a corrupção de Buenos Aires ele poderia ficar preso em uma sala de 2x2. Sabe o que ele fez? Falou que era para ela usar sua influência para acabar com a corrupção. Rá, tome! Isso me faz amar mais esse Papa.

Como eu disse, esse filme é baseado no livro que é um drama biográfico e além da história do Padre Jorge, conhecemos também a vida de Ana uma jornalista que foi mandada para cobrir o Conclave de 2005 quando o Ratzinger foi eleito. 

E sem querer ela pega o mesmo trem que o Padre Jorge e assim é criada uma amizade linda. Ana estava grávida e seria mãe solteira, pois o pai da criança pediu para ela tirar. Hummm conheço uma história assim. 


E mesmo sendo agnóstica, Ana batiza sua filha Eva na igreja. Motivo? Sua mãe é católica e o Santo Padre não vê problemas nisso. Outro ponto para ele, na minha opinião não me interessa se você é mãe ou pai solteiro, divorciados, gays, lésbicas, portadores de doenças e o que mais existir de 'pecado' pelo mundo, as pessoas são seres humanos e devem ser respeitadas com respeito. E é exatamente isso que Jorge Mario Bergoglio faz. Ele não faz distinções. E por isso ele é acusado.



Como espírita eu vejo o jesuíta como a reencarnação de um ser puro, de muita luz. Se não for o próprio Jesus alguém no mesmo patamar. Uma pessoa de bom coração. Algumas passagens do filme me fazem pensar.

Ele é o top da igreja certo? Correto. Mas ele continua muito simples. Não tem muito conforto, suas vestes não são as melhores, mandou vender o carro, o motorista não perdeu o emprego só foi alterado seu cargo. Ele andava de transporte público. Ele não gosta até hoje pelo que li em uma matéria, que as pessoas se ajoelhem perante ele. Uma pessoa humilde. Um Papa fantástico que conseguiu reunir vários fiéis. Ele não acreditava que seria eleito como Papa. Acho que ninguém acreditava. Principalmente pelos seus modos contraditórios.

Contudo, eu acredito que são esses modos que fazem mais e mais fiéis se voltarem para a igreja. Seja a católica seja outra, pois este Papa consegue mostrar ao mundo que o amor de Deus não depende de uma religião e sim de ações que você faz para o seu próximo.

Vou colocar algumas fotinhos do filme:

Padre Jorge é fissurado em mate <3

No primeiro Conclave onde ele foi o segundo mais eleito
O jesuíta pensando em por qual motivo ele foi escolhido no Conclave
Reunião do Conclave para decidir quem será o próximo padre
Após fazer uma ligação para seus amigos assim que foi eleito

Padre Jorge como o Santíssimo Pontífice Papa Francisco
Um filme emocionante, sim chorei e não foi só eu! Muitos jornalistas veiácos de carreira estavam lá, limpando os globos oculares. E tudo isso devido a vapores de cebola que se infiltraram no cinema fazendo com que água brotasse dos nossos olhos hehe

Bom, o filme vai estrear no dia 9 de março espero que vocês gostem tanto quanto eu desta micro biografia do Padre Jorge. Vou deixar o trailer para vocês verem



SERVIÇO:
Título Brasil: Papa Francisco: Conquistando Corações
Título Original: Francisco: El Padre Jorge
Duração: 105min
Ano: 2017
Direção: Beda Docampo Feijó
Elenco: DarioGrandinetti, Silvia Abascal, Anabela Agostini entre outros
Gênero: Drama Biográfico
Nota: 5/5

Felipe Castilho – Ouro, Fogo e Megabytes





Hi Angels!

Primeiramente preciso falar uma coisa muito importante. Eu prezo muito pela minha credibilidade. Se eu curti a leitura de um livro eu realmente falo. Se não curti eu explico o que não funcionou pra mim. “Mas Milena, por que você está falando isso?”, bem caros leitores, eu digo isto para que não me venham autores, fãs e até mesmo editoras falarem merda para a minha pessoa.

Há muito tempo atrás eu recebi para resenha um livro que foi totalmente uma perda de tempo e fui conversar com o autor, explicar o motivo que não estava fluindo a leitura para mim. Bom... o infeliz (sim, o chamo assim, pois ele se autodenominou o Saramago da cidade dele), me disse que eu era burra e não entendia nada. Pois bem, a partir daí eu parei de ler e resenhar livros nacionais. Só voltei a fazê-lo quando li o Cira e o Velho e comecei a dar mais atenção a alguns autores nacionais. Alguns viraram amigos, como o Felipe Castilho, o Walter Tierno, a Georgette Silen e muitos outros. Portanto, o que vou colocar aqui não tem nada haver com eu amar esse moço, não mesmo. Tem haver com o simples fato de ter sido arrebatada pela escrita e pelo enredo.

Sim queridos leitores do Memories, eu fui arrebatada por essa história. O Legado Folclórico é um livro que me fez repensar muitas coisas e também pude perceber que mesmo não sendo cria de interior eu AMO muito a natureza. Adoro sentar encostada no tronco de uma árvore para ler, ficar morgando, jogar UNO ou mesmo cochilar. Gosto de cachoeiras, rios e mares. Gosto muito de animais, ok... nem de todos. Podemos tirar dessa lista a barata, o rato, a aranha e alguns outros nojentos. Gosto de sentir o vento no rosto, o cheiro de grama recém cortada, as gotas de chuvas molhando meu corpo, gosto de caminhar sozinha na praia, me faz muito bem. É um bom momento para pensar rs.

E imagina tudo isso que eu descrevi ai em cima sendo destruído por uma pessoa gananciosa, que quer poder e que usa todos os recursos disponíveis para acabar com nossa fauna, flora e por que não dizer cidade de pedra?

A história se passa em Rastelinho, uma cidade mineira. Ok, ela não se passa toda lá, se inicia lá. Anderson é o nosso protagonista. Não consigo ler e não pensar em Matrix. “Mr. Anderson” kkk Não sei se foi intencional, mas pra mim foi mais ou menos assim que me senti na pele de Anderson Coelho. Dentro de um mundo que eu só escutei em velhas histórias.

Anderson Coelho é um garoto de 12 anos que gosta de jogar RPG online, não é bom no esporte, não é bom em quase nada para falar a verdade, só no BoA (Battle of Asgorath) um jogo em que ele é o SEGUNDO melhor e o garoto está lá jogando com seus amigos e do nada um avatar aparece e começa a conversar com ele. Imagina você ser convocado a ajudar a hackear uma empresa para ‘roubar’ algo que não sabe o que é, mas é importante para a natureza. Complicado né. Eu ia achar que o cara era louco. E foi isso mesmo que ele achou. Desconectou do jogo, mas o senhor não desistiu. Ligou em sua casa. Homenzinho insistente não acham? O que o Anderson fez? Desligou na cara do sujeito. Isso impediu o homem de ir a casa dele? Claro que não!

E é a partir daí que nossa aventura começa.

Anderson é levado de Minas Gerais para São Paulo por um anão e outras pessoas com a desculpa de um torneio de matemática. Ele não tem como não aceitar. Seus pais pareciam enfeitiçados. O que o garoto fez? Foi.

Pausa dramática.

Caramba, como um pai e uma mãe deixa seu filho ir para uma cidade grande sem desconfiar de nada? Nem ao menos ligar para o colégio?

Explicação: você vai entender ao ler! Não posso contar, é spoiler hahah

Ao ler eu entrei nesse mundo, obrigada Felipe!, eu fazia parte da Organização. Eu estava lá, morrendo junto com Anderson enquanto ele desconfiava de tudo e de todos.
O que foi acordado com o Anderson para ele fazer? Ele deveria hackear a empresa Rio Dourado, embaralhando a internet para que o “Patrão”, o “Zé”, e o “Chris” pudessem resgatar o que o dono da empresa o digníssimo senhor Wagner Rios tinha capturado. Poxa Milena porque tantas aspas nos nomes? Querido leitor, os nomes foram colocados assim para vocês não esquecerem deles. É necessário ficar de olho neles ok?

Gente, que leitura fascinante. O Felipe Castilho te leva para aquelas histórias de Monteiro Lobato, lembram delas? Para quem é de 1980, como eu, tinha uma coleção gigante dele com as lendas brasileiras. Nossa. Preciso ler novamente rs A escrita é muito fluída, a leitura é rápida e o melhor, conversa com o público dessa idade de forma que nenhum livro internacional faz. Eu AMO o tio Rick Riordan e posso dizer que o Felipe está no mesmo nível. Não sei se o motivo é que ele é molecão como eles por isso a escrita sai assim, mas Fê continue, pois tá muito bom!

E não pensem que tem coisas escritas esdruxulamente, algumas partes são conversas por chat, sendo assim são internetês, mas com o passar dos dias o garoto Anderson vai aprendendo a LER e ESCREVER tudo corretamente. Até escreveu um e-mail com três páginas rs. Que orgulho!

A história se passa em torno de cinco dias. Três em São Paulo e dois em Rastelinho. Uma coisa bem rápida. O folclore foi trazido à tona em 2012 e este livro já foi trabalhado em escolas o que eu acho perfeito! Coisas que estudei em 1989 (eu acho) por ai, voltou com tudo na memória. Boitatá, Mãe D’Ouro, Sereiras, Boto, Lobo-Guará, Curupira, Mão Pelada, Cuca, Saci, Caipora, Capelobo (não conhecia) e mais vários rs foi uma leitura muito agradável. Demorei para concluir porque estou na vibe de assistir seriados, mesmo assim, Ouro, Fogo e Megabytes é o segundo livro que li este ano que já favoritei. Agora preciso das continuações hehe

Série: O Legado Folclórico

1. Ouro, Fogo e Megabytes
2. Prata, Terra e Lua Cheia
3. Ferro, Água e Escuridão



SERVIÇO:
Título:  Ouro, Fogo e Megabytes
Autor:  Felipe Castilho
Tradutores: Bruno Galiza, Lia Raposo, Rodrigo Santos e Mariana Kohnert
ISBN: 978-85-65383-13-4
Assunto:  Ficção brasileira
Páginas: 288
Editora: Gutenberg
Nota: 5/5
Estante: Skoob


Sinopse: Como esconder uma suspensão escolar dos pais, resgatar uma criatura mágica das garras de uma poderosa e mal-intencionada corporação e ainda por cima salvar o país de um desastre sem precedentes?
Anderson Coelho, um garoto nada extraordinário de 12 anos, divide sua vida entre a pacata realidade escolar e uma gloriosa rotina virtual repleta de aventuras em Battle of Asgorath, jogo de RPG online em que jogadores do mundo todo vivem num universo medieval, cheio de fantasia. Lá, Anderson – ou Shadow, nome de seu avatar – tem vida de estrela: é o segundo colocado do ranking mundial. E são justamente suas habilidades que chamam a atenção de uma misteriosa organização, que o escolhe para comandar uma missão surpreendente junto com um grupo de ecoativistas nada convencionais.
Ao embarcar para São Paulo, Anderson mergulhará de cabeça em uma aventura muito mais fantástica que as vividas em seu computador. Os encontros com hackers ambientalistas, ativistas com estranhos modos de agir e muitas criaturas folclóricas oferecerão a Anderson Coelho respostas não só sobre sua missão, mas também sobre sua própria vida, enquanto um novo mundo se descortina diante de seus olhos.

Anderson Coelho, um garoto nada extraordinário de 12 anos, divide sua vida entre a pacata realidade escolar e uma gloriosa rotina virtual repleta de aventuras em Battle of Asgorath, jogo de RPG online em que jogadores do mundo todo vivem num universo medieval, cheio de fantasia. Lá, Anderson – ou Shadow, nome de seu avatar – tem vida de estrela: é o segundo colocado do ranking mundial. E são justamente suas habilidades que chamam a atenção de uma misteriosa organização, que o escolhe para comandar uma missão surpreendente junto com um grupo de ecoativistas nada convencionais.
Ao embarcar para São Paulo, Anderson mergulhará de cabeça em uma aventura muito mais fantástica que as vividas em seu computador. Os encontros com hackers ambientalistas, ativistas com estranhos modos de agir e muitas criaturas folclóricas oferecerão a Anderson Coelho respostas não só sobre sua missão, mas também sobre sua própria vida, enquanto um novo mundo se descortina diante de seus olhos.